Pop Coreano

Best of 2020 – Top 50 (50 a 35)

Olá pessoas que habitam nesse estranho mundo chamado internet

Finalmente, depois de muitas dúvidas, de ouvir muitas playlists, de mudar de ideia várias vezes, está aqui o top minhas favoritas desse ano
Em geral, o meu costume é selecionar as músicas até o dia 10, mas dessa vez por motivos de não ter absolutamente nada pra fazer, eu terminei ela no dia 2, então se sua favorita laçou o single do ano no dia 3, infelizmente ela não entrou
Tendo deixado isso claro, espero que gostem
Vamos lá:

50 – Twice – Up no More

Eu juro que queria ter gostado mais do single desse comeback, mas a verdade é que eu esqueci a title em dois tempos
Mas essa aqui eu continuei escutando por bastante tempo, ela tem um build up até o refrão que eu acho absolutamente maravilhoso
E eu acho que o que fez ela colar comigo é a vibe disco que a faixa tem, ela não entra tão profundamente assim no estilo mas é algo que eu aprecio muito numa música pop
Os vocais também me agradaram muito, e vindo de uma pessoa que achou que Brand New Girl precisaria de vocais mais marcantes pra acontecer comigo, isso significa muita coisa
E claro, não é como se eu fosse a maior fã de raps, mas dessa vez não tem um break desconexo pra ele, o que pra mim é o suficiente
Inclusive, eu a acho que essa música acontece de ser mais “doce” do que eu imaginei que seria meu xodó do Twice pós amadurecimento de imagem, mas sinceramente eu acho que ela é tão boa que isso nem foi considerado por mim

49 – Dreamcatcher – Sahara

Eu quero começar falando que deu muito trabalho pra mim não transformar esse top em Dreamcatcher e amigas porque eu amei tudo que elas lançaram esse ano, porém, pra que fosse justo, eu decidi que pegaria o que eu amei mais de todas as coisas que amei delas
E entre esse obviamente está o Sahara ra ra ra dessa música, o instrumental é tão cativante e a bateria nela brilha tanto
Sem falar dos vocais, maravilhosos como sempre
Completando com esse MV provando que elas são verdadeiras humoristas, ficou muito óbvio que essa música tinha que entrar aqui

48 – YooA – Abracadabra

Eu estou plenamente ciente que todo mundo curtiu mais a b-side Diver por essas bandas
Isso não impede que meu coração quase pule quando começa essa música
Ela realmente carrega aquele sentimento motivacional da title, mas reinventado pra ser um bop das pistas, tanto que ela chegou a ter uma Dance Performance
O que é ótimo porque eu posso aproveitar ela nos seus melhores momentos, e quando ela fica mais parada, apreciar as dançarinas 10/10 obrigada pela consideração

47 – Nostraightanswer – the dots (feat. avanna)

Eu não sei se eu já fiz algum disclaimer sobre isso mas o Lupin, certamente é um dos meus producers favoritos dos produtores overseas
Ele faz exatamente o tipo de música que eu quero ouvir
E essa daqui é um ótimo exemplo disso, ela consegue passar tão claramente esse sentimento de incerteza e ansiedade que a letra mostra
E adicionando o visual lindíssimo de trem que é mais uma coisa que colabora pra sensação contemplativa da música, eu acho que tudo se encaixa perfeitamente
Não foi o tipo de música que eu ouvi em loop, mas toda vez que eu ouço, é uma ouvida revigorante, por isso ela tinha que vir pra cá

46 – Ryu Su jeong – Tiger Eyes

Eu acho que deveria ter dado mais atenção a esse comeback esse ano, porque ele realmente tráz tudo que eu quero no kpop
A música super moody, super dançável, com vocais sussurrados e muitos shots lindos no MV
É realmente um desperdício eu não ter ouvido mais, mas eu tava tão desconectada do k-pop que acho que isso deve ter contribuído pra várias esquecidas do ano, por que eu não sou mais focada nisso como eu era uns 2 anos atrás
De qualquer forma eu preciso deixar claro como ela é boa, então aqui está

45 – Mitski – Cop Car

Como a boa Mitski stan que eu sou, qualquer coisa que ela lançar eu vou ouvir e ae eu gostar colocar em looo por dias E com essa música foi obviamente o segundo caso, porque ela trás em si essa rebeldia típica das músicas da Mitski e esse clima mais sombrio e inquietante, e acrescentando nisso a letra, ela acabou se tornando uma presença fixa na minha playlist
Nada como uma trilha sonora de filme pra me fazer sentir todos os sentimento existentes e mais alguns ainda, não é mesmo?

44 – Sasha Sloan – Hypocondriac

Primeiramente eu gostaria de deixar claro que eu amei o novo álbum dela* que eu encontrei sem querer com alguém hypando no twitter
Eu ouvi ele e apenas ele por alguns dias, e por causa disso, depois de vários meses não foi difícil filtrar quais músicas mais tocavam meu coração
E sinceramente Hypocondriac conseguiu fazer exatamente isso
Não que ela me faça chorar, mas ela certamente amolece meu coração
A letra é uma declaração de amor tão sincera e vulnerável que é impossível eu não me deixar contagiar por ela

43 – Taylor Swift – Hoax

Eu acho que às vezes é necessário ter uma música que consiga te fazer chorar
Uma música pra correr quando algo que te machuca acontece, que sirva como ambos um desabafo e um abraço de alguém que te entende
E pra mim esse ano, essa música foi Hoax
Eu não sei exatamente ao que ela se refere porque a letra é muito vaga na maioria dos versos, mas ela captura tão bem essa decepção e desilusão com alguém que se ama, seja romanticamente ou não
E ainda assim ela mostra uma grande resiliência ao escolher a pessoa que causou essa tristeza acima de qualquer outra
É muito triste mas de um jeito catartico que me faz sentir melhor depois de ouvir

42 – Dua Lipa – Physical

Por outro lado também é importante ter uma música que te faça querer dançar e esquecer dos seus problemas
E de todas as músicas da MC Don’t Start Now, essa foi a que mais se destacou pra mim
Ela é cativante e carrega na melodia um sentimento de expectativa, de suspense, de desejo
O que é muito claro na letra com frases como “Quem precisa dormir quando tenho você aqui comigo?”
Physical tem tudo o que eu quero ouvir numa música pop, e sinceramente, eu fico feliz que esse ano tenha acontecido uma chacoalhada com esse som mais anos 80, tava precisando mesmo

41 – Taylor Swift – Mirrorball

Essa é claramente a música que toca num filme de coming of age quando o mocinho e a mocinha dançam juntos no baile de formatura
Ela tem esse som nostálgico e melancólico, mas ao mesmo tempo caloroso
Enquanto isso, a letra tem esse quê de coração partido
De alguém que se sente pressionado a o tempo inteiro se doar aos outros, a estar sempre sendo a versão de si que sabe que vai agradá-los e como isso é cansativo, e como é bom ter alguém pra quem voltar no final do dia, mesmo que você saiba que ainda está tentando agradá-la porque o ciclo continua mesmo com as pessoas com quem você consegue ser vulnerável
Enfim, acho muito fácil me identificar com isso por motivos de ansiedade e também muito difícil de não me imaginar dançando com meu namorado no final de uma festa ao ouvi-la
É duplamente efetivo

40 – Miley Cyrus – Midnight Sky

Eu não esperava muito da Miley Cyrus esse ano, não porque eu não ache as músicas dela boas, mas porque eu achei que ela só não fosse lançar nada
E quem diria que ela viria com um hino retrô como Midnight Sky
Nessa música ela coloca toda a atitude ousada que sempre foi característica de suas músicas num instrumental inspirado nos anos 80 e torna simplesmente impossível não se sentir conquistado por ele

39 – Katy Perry – Teary Eyes

Eu juro que gostaria de ter gostado do resto do álbum da Katy quanto eu gostei dessa música aqui
Mas a verdade é que eu apreciei ele mais pelas letras do que pelas músicas em si
Com excessão da Title e obviamente dessa música
Ela é uma música agridoce, o instrumental animado contrastando com a tristeza e pessimismo da letra sobre ter que continuar apesar da tristeza e de se sentir perdida, com uma pequena luz de esperança dizendo
que algum dia essas lágrimas vão secar
Quem me conhece sabe que tudo que eu quero é uma música que soa pra cima, com uma letra de partir o coração, então eu ganhei tudo que poderia pedir aqui

38 – Phoebe Bridgers – Chinese Satellite

O Punisher foi outro álbum que eu ouvi de novo e de novo, com Chinese Satellite sendo a música que se destaca
A música tem esse som mais acústico e melancólico e as letras são ainda mais tristes que a melodia, ecoando um “Eu quero acreditar // Em vez disso, olho para o céu e não sinto nada”
A falta de fé, de algo pra acreditar nessa música é palpável, nem mesmo as estrelas para as quais ela poderia desejar aparecem, então ela espera que um satélite aparece, pra que mesmo não sendo uma estrela ela consiga desejar algo
É inspirador, mas extremamente brutal e Phoebe Bridgers sabe exatamente como fazer isso

37 – Sufjan Stevens – Video Game

Sufjan Stevens foi um dos artistas que eu acabei gostando muito dos vários que eu escutei esse ano
E em seu novo álbum, também desse ano o que mais me chamou atenção foi a bem articulada crítica à cultura de endeusamento de celebridades, e de busca por auto-realização com likes em redes sociais onde ele compara esse fenômeno a um vídeo game, o que faz sentido, as redes sociais nos ganham da mesma forma que os vídeo games, por meio dos sistemas de recompensa que nos deixam “presos” a eles
E todas as referências religiosas e de figuras de poder representam as celebridades que nesse momento de ultra-exposição, se tornaram tão acessíveis que acabam sendo os saciadores das necessidades emocionais das pessoas, eles criam toda uma performance de que são nossos amigos, e em troca nós fazemos streams, damos curtidas no twitter e instagram, e assistimos aos seus stories e lives
É uma troca que não é saudável pra nenhum dos lados, pois os artistas nunca se sentem confortáveis pra serem eles mesmos e pra serem pessoas reais, com dores e problemas e contradições, e os fãs acabam se apegando a algo que não é genuíno e é apenas uma performance, não criando um laço profundo, porque a pessoa com quem eles estão lidando é apenas a imagem que eles precisam vender

36 – Kylie Minogue – Miss a Thing

Pra mim o único jeito de descrever esse álbum é dizendo que ele passa o sentimento de oásis num deserto, é como um momento de escape do resto do mundo por 40 minutos
A experiência de ouvi-lo foi maravilhosa e entre as faixas que mais me encantaram, Miss a Thing realmente se destacou por ter essa vibe confiante, de quem sabe o que está fazendo e sabe que é boa nisso
É o tipo de faixa que te carrega, te faz realmente viajar nela, e são músicas desse tipo que me lembram o poder que a música tem de realmente transformar um momento e, de certa forma torna-lo único

35 – Rina Sawayama – XS

E pra finalizar, a maravilhosa crítica ao consumismo embalada num pacote de pop perfection chamada XS, onde Rina Sawayama prova novamente que veio pra ser um nome de peso no pop
Além da incrível crítica com momentos como “Quando tudo o que restar for imaterial // E o preço que pagarmos for inacreditável // Estarei levando o máximo que puder segurar”
Ela ainda tem um clipe muito divertido que exprime visualmente o que a música quer dizer com primazia


E ficamos por aqui então, até a próxima parte que eu sinceramente não sei quando vai sair porque eu não sou uma pessoa consistente
Comentem se tiverem algo a acrescentar
E se não
Tchau tchau e até mais o/

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s